skip to Main Content

ATRASO, CANCELAMENTO DE VOOS E EXTRAVIO DE BAGAGEM NOS SERVIÇOS AÉREOS

Quando optamos por viajar de avião, desejamos maior conforto e rapidez para chegar ao destino escolhido. Entretanto, nem sempre a viagem sai como planejada. As principais reclamações dos usuários do serviço aéreo são atraso, cancelamento de voos e extravio de bagagem.

Desde 2010, a Agência Nacional de Aviação (Anac) garantiu ao consumidor novos direitos. Quem for afetado por atraso, cancelamento ou overbooking terá prioridade na realocação em voos da mesma companhia, podendo exigir o reembolso imediato e integral quando houver cancelamento da viagem ou a lotação do avião estiver esgotada.

Os passageiros também terão direito à informação, sendo as empresas obrigadas a informar verbalmente e até por escrito, caso seja requisitado, o motivo do atraso e a previsão da saída. Outra novidade é o aumento da assistência material, que será realizada de forma gradual, de acordo com o tempo de espera. Em atrasos superiores a 1 hora, as empresas devem disponibilizar telefones e internet aos consumidores. Após 2 horas, é preciso fornecer alimentação. A partir de 4 horas, os passageiros já podem solicitar hospedagem. Se o consumidor estiver em seu domicílio, a empresa pode apenas providenciar o transporte para sua residência. Se o atraso for superior a 4 horas (ou a empresa já tenha a estimativa de que o voo atrasará esse tempo), ou houver cancelamento de voo ou preterição de embarque, a empresa aérea deverá oferecer ao passageiro, além da assistência material, opções de reacomodação ou reembolso.  

Quanto ao extravio de bagagem, a orientação da ANAC é bem incompleta. Primeiro deve-se avisar o extravio à empresa aérea.  Após o aviso, a empresa terá até 7 dias para encontrar e devolver a bagagem, em voos domésticos, e até 21 dias em voos internacionais. Se a bagagem não for restituída nesses prazos, a empresa deve indenizar o passageiro em até 7 dias. Já a Justiça é bem mais rígida nesses casos, certo que o extravio, ainda que por apenas um dia, enseja dano moral ao passageiro.  Desta forma deverá o consumidor buscar o Poder Judiciário, que vem assegurando indenizações visando compensar não só o desconforto emocional, bem como material decorrente da perda, temporária ou definitiva, da mala. 

Em todos os casos, orienta–se que o consumidor guarde o comprovante do cartão de embarque, de gastos realizados, bem como documentos que provêm compromissos ou atividades que seriam cumpridas no destino da viagem.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top